Planejamento de Diversificação da Carteira

Olá, neste mês de Setembro, após 53 dias de trabalho na empresa que entrei irei receber o meu primeiro salário!

My precious

Essa demora se deve a um fato comum das empresas em geral aliado a outro fato não tão comum assim, o primeiro é que entrei logo antes do fechamento do mês da empresa que ironicamente não se da no dia 31, mas antes disso, e pra não receber 2 dias de salário concordei em deixar acumular pra Setembro. O segundo fato é que como não sou um funcionário propriamente dito com carteira registrada e tudo mais, e sim um mero prestador de serviços (vulgo PJ no linguajar menos formal) entre eu emitir a nota (fim de Agosto) e receber (meio de Setembro) se vão outros 15 a 20 dias.

Enfim, explicado toda a parte burocrática e chata da coisa, vamos ao que interessa: diversificação!

O que NÃO queremos que aconteça

Como disse em posts anteriores não tenho um salário fixo pois ganho por hora e o número de horas de trabalho mensal varia até porque temos meses com mais e menos dias úteis, tem feriados e etc, eu estimo levando em conta as horas extras que precisarei fazer nos próximos meses que meu salário médio mensal será entre R$ 7.500 e R$ 8.000,00 bruto. Em Dezembro terei um leve aumento no meu valor/hora mas não estou considerando por agora.

Ainda estimo que meu valor de despesas médias iniciais será alto neste resto de ano mas que tende a cair após limpar meu nome do Serasa (feio né, eu sei, mas já prometi a mim mesmo que será a última vez que isso irá acontecer ao meu tão valioso nome), então chuto que por agora terei gastos na casa de R$ 3.500 a R$ 4.000, já contando aí gastos fixos, renegociações de dívidas e gastos variáveis com saídas de finais de semana e a minha cota de "gastos porcaria" na falta de um nome melhor.

Então irá me sobrar pelo menos R$ 3.000,00 fixos para aportar todo mês (estou conscientemente deixando de fora 500 a 1k pra manter como "emergência" inicial que deverá ir para um fundo de renda fixa com liquidez diária futuramente, após esses primeiros meses "turbulentos" de dívidas pontuais).

Em 2018, com o nome limpo, menos dívidas e um salário ligeiramente melhor estimo tranquilamente uma capacidade de aporte mensal entre R$ 3.500 e R$ 4.000,00.

Tudo isso pra dizer o seguinte: em minhas longas pesquisas de 15 minutos pela blogosfera... brincadeira, venho estudando meses a fio, mas me considero ainda um mero nube em investimentos, por isso conto com a ajuda de vocês.. enfim, defini um planejamento para diversificar a carteira, se baseando inicialmente neste aporte de 3k/mês, sendo esse:

60% a ser investido em Renda Fixa (R$ 1.800,00) onde:

  • Tesouro SELIC (Reserva de Emergência) irá consistir de 60% do aporte, ou seja, R$ 1.080,00 investidos por mês. A meta é chegar no mínimo a R$ 18.000,00, que equivale a 6 meses de despesas (chutando bem por cima, acredito em 2018 ter despesas inferiores a 2.5k por mês);
  • Tesouro IPCA 2035 (Fundo de Semi-Semi-Aposentadoria) que irá consistir de 40% do aporte, ou seja, R$ 720,00 investidos por mês. Com esse valor na taxa atual (5.06% + inflação), no vencimento do título (15/05/2035, pouco menos de 18 anos) terei R$ 247.000,00 investidos, quase no limite do FGC!

PS: Obviamente que foi uma brincadeira dizer que esse valor de 250k é um fundo de semi aposentadoria, mas é algo que faz parte para montar o objetivo de chegar no primeiro milho grande.

Continuando, 40% do aporte a ser investido em Renda Variável (R$ 1.200,00) onde:
  • FIIs (Fundos de Investimento Imobiliários) irão consistir 58,33% do aporte (fui bem específico nessa, mas tem um motivo), ou seja, R$ 700,00 (arredondando pra cima) investidos por mês. A ideia é estudar com calma e paciência cada um dos fundos, ou ao menos os mais relevantes, e escolher 4 deles por vez, investindo 175 reais em cada (aceito críticas sobre este valor ser pouco para um FII ou não, ou isso não ter muito a ver, nessa parte sou bem leigo ainda);
  • P2P Lending (Empréstimo Coletivo, citado no artigo anterior) irão consistir 41,67% do aporte, ou seja, R$ 500,00 (arredondando pra baixo) investidos por mês. Como o valor mínimo para ser investidor de empresas no P2P é de R$ 1.000,00, a ideia é investir nestas empresas a cada 2 meses, por isso defini este valor fixo, porque se focasse 1k por vez ia destruir o aporte para os FIIs, por isso defini estas porcentagens malucas.

É isso, o que acharam? Pretendo evoluir tanto na parte da RF pensando em LCIs, LCAs e CDBs futuramente quanto na parte da RV olhando (e estudando muito sobre) Debêntures, Debêntures Incentivadas (aquelas que não incidem IR), Ações e Bitcoins.

Mas por enquanto meu planejamento é esse, gostaria do feedback de vocês, pra saber no que posso melhorar, ou no que errei pensando desta forma, todo feedback construtivo é importante.

Abraço.

Comentários

  1. Olá IP! Só arrancaria esse P2P da carteira, e incluiria uma reserva mínima em poupança, pois pode ter a emergência da emergência e a liquidez do tesouro só se dará em dias úteis+1.

    Vai que você precisa na meia noite de sábado cubrir uma emergência finanaceira ? como faz ? só a velha e boa poupança pra te salvar, hehehe.

    Eu particularmente, prefiro RV clássica do que RF mas isso vai do gosto de cada um, ações e fii's sem muita firula (sem mini contratos futuros, debêntures etc.)

    Criptomoedas está forte, mas ninguém sabe o futuro delas, como profissional da área de TI, é muito mais divertido comprar o equipamento especializado pra minar do que investir diretamente. Não há diversão alguma ter cold storage em papel, só uma hardware wallet te dá aquele friozin na barriga.

    Mas como BTC tá muito esticada, sugiro uma outra moeda, ETH é uma promessa por exemplo.

    O mais importante é ter uma sólida reserva de emergência mesmo, que cubra pelo menos uns 6 meses de gastos com boa liquidez, com uma boa combinação de poupança, CDB, TD Selic, alguns LCI/A em cascata.

    Depois disso dá pra engordar o pote com RF e RV visando o longo prazo. Com porcentagens dependendo do seu perfil. O viver de renda por exemplo, recomenda investir a porcentagem de RF na sua idade. Por exemplo, se tem 30 anos, vai 30% RF e rebalanceia ano a ano. Mas aí vai do perfil de cada um né.

    Dá sempre aquela pitadinha de risco de não mais que 10% em dinheiro que você está disposto a perder para BTC, P2P, empréstimos pessoais, e essas outras empreitadas nebulosas, etc.

    Espero ter contribuído com alguma coisa.

    Sucesso pra você!

    ResponderExcluir
  2. Olá Thiago, valeu pelo comentário.

    Concordo contigo com relação a deixar uma grana mínima necessária na poupança, faz sentido mesmo, é aquela coisa que você não espera precisar mas tem se precisar, igual seguro de carro.

    Vou estudar sobre essa ETH, interessante em!

    Eu quero me arriscar bastante no começo, com estudos e análises antes, é claro, e focar na renda passiva, em ações de boas empresas com dividendos e FIIs, e investir também no exterior. Daqui uns 15, 20 anos da pra ir diminuindo o risco e focando na segurança da RF.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Legal seu planejamento. Quando for investindo no P2P vai contando a saga aqui!
    Não sei se entendi certo, mas é melhor o aporte todo ir pra um certo local, finalizar ele e depois partir pra outro. Por exemplo, primeiro finalize o colchão, depois aporte nas ações e FII e assim vai, se vc dividir seus aportes dessa forma vai demora pra completar o que você qr e ainda vai pagar mais em taxas de corretagem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Sonhador. Sobre o P2P você irá ver no próximo artigo que resolvi trocar por FII inicialmente mas pretendo voltar pra ele futuramente.

      Concordo com sua ideia em partes, mas quero ir aportando aos poucos em outros investimentos pra não focar só no colchão, sei que é importante mas acredito continuar estável no trabalho por pelo menos algum tempo, até pelo menos quitar as dívidas e sair do negativo e entrar no positivo financeiramente falando, então da pra ir diversificando desde o começo.

      Abraço.

      Excluir

Postar um comentário